[recent]

24 de novembro de 2016

O Desmame do Marcelinho



O Desmame do Marcelinho não foi fácil. Não foi fácil pra MIM. Entendam melhor: nunca havia idealizado a maternidade. Honestamente, eu não pensava em engravidar tão cedo. Não que eu seja muito nova, hoje tenho 30 anos. A questão é que pensava numa maternidade ainda mais madura. Já morava com o meu marido, mesmo antes de casar e ele sempre falava em ter um filho. Enquanto isso eu tampouco pensava em casamento. Apenas pensava: "já moramos juntos; já é casamento". Para mim a nossa situação financeira não era a mais agradável e nosso negócio foi engolido pela famigerada 'crise'. "Precisa falar disso pra explicar o desmame? -Precisa!" No meio desse turbilhão e tentando driblar as adversidades, me vi grávida, mesmo tomando anticoncepcional há anos (nos últimos tempos todo o stress e horários complicados o tornaram ineficaz). Primeiramente foi um choque. Fiz todo tipo de teste e ainda não acreditava. Com 6 semanas descobri um descolamento e precisei largar tudo para ficar em repouso absoluto o restante do primeiro trimestre. Só me levantava para ir ao banheiro. Todo esse tempo eu comecei a "estudar" a maternidade e, de repente, me vi não só apaixonada pelo meu filho como também pelo fato de me tornar mãe. Sim, de repente isso virou a minha vida! Idealizei muitas coisas: parto, amamentação, mas nem tudo saiu como eu "planejei". O parto fica pra outro dia. Foquemos na amamentação. Graças a Deus seguiu tudo bem. Tivemos muito apoio de gente querida e Marcelinho nasceu. Eu, sem bico e sem leite, um colostro apenas saindo com muita dificuldade; e ele, pra dificultar ainda mais, nasceu com língua presa, o freio colado na ponta. Tudo ia contra. Mas eu não ia desistir tão fácil. 
"Dá logo fórmula, esse bebê vai perder peso.""Meus filhos não mamaram no peito e tão aí"."Isso de mamar no peito é frescura, esse leite ralo não sustenta!"."Você não vai conseguir amamentar, não tem bico"."Nenhuma mulher na nossa família conseguiu amamentar.""Você está fazendo ele passar fome." 
Amamentar não é natural para as mulheres como é para as outras fêmeas. Mas é o melhor para nossos filhos e quanto a isso não há dúvidas. Não julgo se X dá fórmula ou se Y 'não teve leite'. Eu sabia o que queria para o meu filho. Diante disso, apavorada e acuada como muitas mães de primeira viagem, cheguei a me punir com a ideia da persistência, mas optei por seguir meus instintos e, assim, no quarto dia o meu leite veio. Veio mesmo, e mesmo com o problema anatômico do Marcelo, isso não foi problema, pois meu leite jorrava a distância! Com muito sofrimento (meu - bicos rachados, peitos empedrados, emergência de hospital com mastite), passamos da fase dolorida para a prazeirosa. É divino você produzir o alimento exclusivo do seu filho por 6 meses! Mesmo com todos os pitacos, tudo deu certo e foi perfeito! Marcelinho sempre ganhando peso e crescendo dentro do esperado e SUPER saudável! Nunca tinha ficado doente! Nunca sofreu com reações de vacina, apenas ficava um pouco chato no dia, mas nada de febre/doença! Nada!! 
Começou sua introdução alimentar! Uma fase difícil também mas o leite materno continuava sendo sua principal alimentação. 
Eis que com 10 meses, sozinhos num dia de calor, trocando sua fralda na cama ele me dá um inesperado chute na mama direita que empedra o leite na hora! Eu chorava de dor e desespero! Fiz de tudo para desempedrar e ele mamar, mas não consegui e ele não queria aquele peito. Passei o dia com dor e quando meu marido chegou à noite, me ajudou com massagem, mas Marcelinho só aceitava aquela mama dormindo. E assim, ele foi rejeitando aquela mama e só mamava e sobrecarregava a esquerda. A mama esquerda passou a não dar conta sozinha e, já com 1 ano, ele ficava absurdamente irritado pois além da produção diminuir, uma só mama não estava dando conta do recado. Logo após sua festinha de 1 ano, ele ficou resfriado por 2 dias (ele nunca tinha ficado doente) e estava chatíssimo para se alimentar daí antecipamos a consulta com a pediatra. Ela conversou comigo, cautelosa, orientando pela introdução de fórmula para a idade dele (mais de 1 ano) dizendo que seria melhor diante da situação atual, principalmente por ele estar mais chato para comer em razão do resfriado. Novamente, ouvindo meu instinto materno, optei por introduzir a fórmula e, pouco a pouco as mamadas foram substituídas pela fórmula e com 1 ano e 1 mês, de repente, ele desmamou! Eu estava de tpm e não estava conseguindo lidar com essa "separação" depois de 13 meses amamentando inúmeras vezes ao dia, "do nada" acabou! Aquele vínculo, aquele momento nosso, aquela ligação, aquela coisa especial que a gente tinha, ficaria só na lembrança. Eu não estava pronta. Eu me preparei pra amamentar em livre demanda e por tempo indeterminado! Eu queria que ele mamasse pelo menos até os 2 anos, que é o recomendado pela OMS. Eu não queria aceitar o que estava acontecendo. Eu não queria falar sobre na época e confesso que até hoje dói um pouco. Mas essa dor é saudade, e eu sinto essa dor um pouquinho a cada dia que ele cresce e se desenvolve e vai deixando de ser aquele bebê indefeso que eu pari. É uma dor boa. Mas não deixa de ser uma dor. 
De repente, com a chegada do meu filho, com todos os dissabores que existem no meio disso tudo, eu me realizei como mãe como nada mais me fez sentir realizada e, aí, eu percebi que eu nasci para ser mãe e que antes disso eu era 'completamente incompleta'. 
Agradeço a Deus por ter sido assim e não ter sido ele a sofrer. Vejo muitas crianças penando com o desmame "forçado" e consigo entender que, Deus conhecendo meu coração mais até que eu mesma, me fez sofrer no lugar do meu filho. E preparou tudo, no tempo Dele. No tempo certo.
A lição que tirei disso tudo é que
Maternar é mergulhar de cabeça no desconhecido e não fazer planos. 💚
3 comentários
Compartilhe:
Thais Pinheiro
Thais Pinheiro

Thais Moura, 30 anos, carioca, bacharel em Direito e blogueira social media, mãe em tempo integral do Marcelinho.

3 comentários:

  1. Lindo, emocionante e sincero o seu relato. Que todas as mães possam ter a bênção de serem escolhidas para sofrer no lugar de seus filhos.

    ResponderExcluir
  2. To passando por essa fase .. tá difícil acreditar não estou preparada mas preciso desmamar to lokaaa aqui �� texto perfeito !

    ResponderExcluir